Papai Noel: conheça a história do bom velhinho

Iniciado por noticias, 23, Dezembro, 2020, 15:02

« anterior - seguinte »

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

noticias


noticias

União Europeia começa campanha para vacinar seus 450 milhões de moradores

Os pacientes prioritários são moradores de asilos de idosos e profissionais de saúde. Europa usa a vacina desenvolvida pela Pfizer e BioNTech para combater a epidemia. Uma enfermeira romena recebe a injeção da vacina contra a Covid-19 em Bucareste, em 27 de dezembro de 2020
Octav Ganea/Reuters
Os países da União Europeia começaram neste domingo (27) a campanha de vacinação contra a Covid-19. Moradores de asilos para idosos e profissionais de saúde são os primeiros a receber a injeção.
Vacina contra a Covid-19: veja países que já começaram a imunização
'Estou emocionada!', diz primeira francesa a ser vacinada contra a Covid-19
'Não dou bola para isso', diz Bolsonaro sobre atraso do Brasil na vacinação contra Covid-19
Os europeus estão recebendo a vacina desenvolvida pela Pfizer em conjunto com a BioNTech.
A espanhola Araceli Hidalgo recebe a vacina contra a Covid-19 na Espanha
Pepe Zamora/Reuters
Somados, os 27 países do bloco têm cerca de 450 milhões de habitantes. A União Europeia firmou contrato com diversos fornecedores --com os diferentes acordos, garantiu mais de 2 bilhões de doses. A meta é vacinar todos os adultos em 2021.
Araceli Hidalgo, de 96 anos, uma espanhola, foi uma das que já foram vacinadas. Ela disse aos funcionários do asilo onde ela mora, na cidade de Guadalajara, que não sentiu nenhum efeito adverso.
O primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, e sua mulher, Mareva, foram vacinados em um hospital de Atenas e as imagens foram registradas ao vivo na TV no país.
Primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, é vacinado contra a Covid-19
Na Itália, o primeiro país na Europa a ser atingido pela pandemia, Claudia Alivernini, de 29 anos, uma enfermeira, recebeu a vacina. "É o começo do fim. É um momento histórico e emocionante", disse.
Começa a vacinação contra a Covid-19 em Portugal
Médicos aposentados foram convocados
Os países da Europa têm alguns dos sistemas de saúde mais bem equipados do mundo, mas como essa campanha de vacinação é muito grande, médicos aposentados têm sido chamados para dar as injeções.
As pesquisas indicam que em alguns países, como na França e na Polônia, parte da população tem receio em relação à vacina.
Os líderes de governos dizem que a vacina é a melhor chance dos países voltarem a ter uma vida normal em 2021.
"Estamos começando a virar a página de um ano difícil, a vacinação é o jeito definitivo de sair da pandemia", disse Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia em uma rede social.
 Acesso uniforme à vacina
No começo da pandemia, os governos dos países do bloco foram criticados por não terem trabalhado de uma forma coordenada para combater a propagação do vírus. A meta, agora, é garantir que haja acesso igual à vacina no continente.
No entanto, a Hungria começou antes da hora no sábado e já iniciou a vacinação dos profissionais de saúde de Budapeste.
A Eslováquia também iniciou a campanha antes da hora. E, na Alemanha, alguns idosos de um asilo foram vacinados.
"Nós não queremos desperdiçar um dia com a vacina guardada, queremos usar de uma vez", disse Karsten Fischer, da força-tarefa de combate à Covid-19 no estado da Saxônia-Anhalt.
Vacina de RNA mensageiro
A distribuição da vacina não é simples. A tecnologia de ácido ribonucleico (RNA) mensageiro exige uma manutenção de temperatura de -70 °C.
As campanhas de vacinação vão acontecer em asilos, centros de convenção e ginásios de esportes.
Na Itália, ergueram pavilhões com o formato de uma flor que simboliza a primavera. Nesses espaços também haverá campanha de vacinação.
Alguns países europeus que não fazem parte da União Europeia, como o Reino Unido, a Suíça e a Sérvia, já começaram suas campanhas.
Vídeos: veja os mais assistidos do G1

Source: União Europeia começa campanha para vacinar seus 450 milhões de moradores

noticias

Policial é demitido após matar cidadão negro desarmado nos EUA

Andre Hill, de 47 anos, foi morto a tiros na garagem de casa por Adam Coy. "Evidências forneceram justificativa sólida para a demissão", afirmou o chefe da polícia de Columbus, em Ohio. Manifestantes protestam nesta segunda-feira (28), em Columbus, nos EUA, contra a morte de Andre Hill na rua em que ele morava
Stephen Zenner/AFP
Um policial branco que matou um homem negro a tiros em Columbus, Ohio (EUA), na semana passada, foi demitido nesta segunda-feira (28), disseram as autoridades municipais.
A morte de Andre Maurice Hill gerou indignação em um país que tem passado por protestos contra a brutalidade policial e o racismo sistêmico desde maio.
O americano de 47 anos estava na garagem de uma casa quando foi baleado várias vezes por um policial que havia sido chamado ao local devido a um pequeno incidente. O agente Adam Coy estava suspenso desde o ocorrido.
"As evidências forneceram uma justificativa sólida para a demissão", afirmou o chefe da polícia de Columbus, Thomas Quinlan.
"O Sr. Coy agora terá que responder aos investigadores estaduais pela morte de Andre Hill", acrescentou.
Hill, que não estava armado no momento dos disparos, foi o segundo homem negro morto pela polícia em Columbus em menos de três semanas.
"A morte de Andre Hill é mais um exemplo trágico da tendência da polícia de ver as pessoas negras como criminosas ou perigosas, e indica a necessidade de uma abrangente reforma policial nacional", disse o advogado Ben Crump.
Crump representou várias famílias de vítimas de assassinatos cometidos por policiais, incluindo a de George Floyd, cuja morte em maio desencadeou a maior onda de protestos antirracistas em décadas no país.

Source: Policial é demitido após matar cidadão negro desarmado nos EUA

noticias

Primeira finalista trans do Miss Universo Nepal faz história no país

Angel Lama vai ser a primeira mulher transgênero finalista no concurso de beleza. Angel Lama nos bastidores do concurso de beleza trans Miss International Queen 2019
Jorge Silva/Reuters
Quando Angel Lama desfilar pela passarela nas finais do Miss Universo Nepal na quarta-feira (30), ela fará história como a primeira mulher transgênero a ser finalista no evento anual mais glamoroso do país da região do Himalaia.
O Nepal está entre os poucos países do mundo que aceita competidores trans em seus concursos nacionais e apenas o terceiro na Ásia, depois de Mianmar e Mongólia, de acordo com ativistas LGBT+.
A medida ocorre após a nova gestão ter flexibilizado os critérios de altura, peso e aparência, e permitido a participação de qualquer "mulher arrojada, bonita e confiante" entre 18 e 28 anos.
"Vim ao Miss Universo Nepal para mostrar a diversidade das pessoas na sociedade", disse Lama, de 21 anos, que competirá contra 17 outras finalistas, à fundação Thomson Reuters.
"Se eu subir no palco e mostrar isso, será a maior coroa de todos os tempos."
A maioria hindu do Nepal tem aceitado mais as pessoas LGBT+ desde que uma insurgência maoísta de uma década terminou em 2006 e a monarquia feudal foi abolida dois anos depois. Em 2008, um parlamentar assumidamente gay foi eleito.
Para Nagma Shrestha, diretora nacional da organização Miss Universo Nepal, "todos são iguais, qualquer que seja sua orientação sexual".
"Se elas dizem que são mulheres, são mulheres e devem ser tratadas como mulheres", disse Shrestha, 29, que foi a primeira Miss Nepal a representar seu país no concurso de Miss Universo em 2017.

Source: Primeira finalista trans do Miss Universo Nepal faz história no país

noticias

Um ano após primeiros relatos da Covid-19, chefe da OMS pede distribuição justa de vacina

Primeiros casos foram relatados pela China na véspera de Ano Novo, doze meses atrás. 'Desde aquele momento, a pandemia de Covid-19 custou tantas vidas e causou grande destruição a famílias, sociedades e economias em todo o mundo', disse Tedros Adhanom. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, em foto de 3 de julho
Fabrice Coffrini/Pool via Reuters
O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, relembrou nesta quarta-feira (30) que completará um ano desde os primeiros relatos de Covid-19 feitos pela China.
Diretor-geral da OMS divulga vídeo marcando um ano do primeiro caso reportado de Covid
Em 31 de dezembro de 2019, a OMS recebeu pela primeira vez um comunicado das autoridades sanitárias chinesas sobre casos de uma pneumonia muito semelhante à Sars, outra doença causada por coronavírus que provocou um surto no país em 2002.
"Doze meses atrás, uma nova ameaça global surgiu. Desde aquele momento, a pandemia de Covid-19 custou tantas vidas e causou grande destruição a famílias, sociedades e economias em todo o mundo", disse Tedros Adhanom.
OMS alerta: Pandemias piores podem vir no futuro
Vacinas para todos
Uma enfermeira romena recebe a injeção da vacina contra a Covid-19 em Bucareste, em 27 de dezembro de 2020
Octav Ganea/Reuters
No discurso, o chefe da OMS celebrou o rápido desenvolvimento de vacinas eficazes contra a nova doença, e pediu que os governos trabalhem pela distribuição equânime do imunizante. Ele apelou por US$ 4 bilhões para comprar doses para distribuição a países de renda média e mais baixa através do esquema de vacinas Covax.
"Vacinas oferecem uma grande esperança de se mudar o rumo de uma pandemia. Mas para proteger o mundo, precisamos fazer com que todas as pessoas em risco em todas as partes — não só em países que podem arcar com as vacinas — sejam imunizadas", disse.
Ele também exortou países a combaterem teorias conspiratórias e ataques à ciência, dizendo que "a escolha é fácil" e que o mundo pode "percorrer os últimos quilômetros desta crise junto, ajudando um ao outro pelo caminho, desde o compartilhamento justo de vacinas até a conselhos precisos, compaixão e cuidado" a todos que os necessitam.
Veja VÍDEOS sobre as pesquisas sobre vacinas contra a Covid-19
Initial plugin text

Source: Um ano após primeiros relatos da Covid-19, chefe da OMS pede distribuição justa de vacina

Similar topics (5)