Especialistas avaliam pontos fracos da Rússia frente à contraofensiva ucraniana

Iniciado por noticias, 06, Maio, 2023, 01:00

Tópico anterior - Tópico seguinte

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Especialistas avaliam pontos fracos da Rússia frente à contraofensiva ucraniana


     Satélites revelam que Moscou já ergueu centenas de quilômetros de defesas nas áreas invadidas. Mas elas também podem ser fator de desvantagem. Moral das tropas e armas ocidentais podem fazer a diferença. Bombardeios na cidade de Bakhmut, região ucraniana de Donetsk
Libkos/AP Photo
Desde dezembro o exército russo ergue grandes fortificações ao longo de todo o front de guerra na Ucrânia. Imagens de satélite mostram que as tropas que invadiram o país em 24 de fevereiro de 2022 estão fortificando pontos estratégicos dos territórios ocupados, preparando-se para uma contraofensiva. Segundo o serviço secreto britânico, há décadas o mundo não se vê baluartes de tal porte.
A agência de notícias Reuters igualmente registra milhares de novas fortalezas, localizadas nas fronteiras da Rússia e no sul e leste ucranianos: trincheiras, fossos e bloqueios rodoviários se estendem por centenas de quilômetros, além dos chamados "dentes de dragão" da época da Segunda Guerra.
Na opinião de Rob Lee, associado do Foreign Policy Research Institute da Filadélfia, Moscou teria aprendido com a bem-sucedida contraofensiva ucraniana de 2022: "Depois da ofensiva em Kharkiv, a Rússia reconheceu que uma derrota é possível, e que pode voltar a perder território. Acho que se reconheceu que a Ucrânia é capaz de empreender ofensivas."
O que mostram os satélites
Estão sendo cavadas sobretudo trincheiras em que os soldados podem ficar de pé, reforçadas na frente com sacos de areia e com pedras. Elas visam proteger a infantaria russa de balas, estilhaços de granadas e fogo de artilharia, relata Brady Africk, do American Enterprise Institute, em Washington, baseado em análise de imagens de satélite.
Atualmente há numerosos postos desse tipo ao longo de estradas importantes e nas proximidades de cidades estratégicas. Observadores relatam também sobre campos minados.
Tudo indica que é nessas áreas onde são construídas as estruturas de defesa maiores que os russos contam com uma ofensiva das forças armadas ucranianas. Tais postos se concentram no sudeste da região de Zaporíjia, no leste da Ucrânia e em torno do istmo que liga a península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014, ao restante do país sob invasão.
"São fortificações para se levar a sério, que foram construídas em seis meses", explica Oleh Zhdanov, perito militar e coronel da reserva ucraniana.
Ele ressalva, contudo, que se trata apenas de instalações localizadas. Assim, a rede ferroviária a leste de Melitopol, por exemplo, está livre de tais baluartes.
Fortalezas também são desvantagem para russos
Niklas Masuhr, do Center for Security Studies da Escola Politécnica Federal de Zurique, avalia a situação: "As fortificações propiciam uma certa previsibilidade e estruturam operações futuras. Isso atenua as fraquezas da Rússia, pois via de regra as forças armadas ucranianas desempenham melhor em situações militares improvisadas e cambiantes."
"Por outro lado, a vinculação das tropas a territórios fortificados os torna mais previsíveis para os ucranianos, que conhecem os locais", acrescenta Masuhr. Rob Lee concorda que a concentração de algumas tropas num trecho definido representa uma vantagem para os ucranianos, permitindo-lhes penetrar fundo no território sob ocupação russa. Desse modo, eles poderão destruir mais outras linhas fortificadas e alcançar um avanço maior.
No entanto as imagens de satélite ainda não mostram as posições da artilharia, observa Zhdanov, explicando que os russos só as ocuparão pouco antes do início dos combates. Outro fator importante seriam as forças aéreas russas, as quais, contudo, raramente penetram no espaço sob controle de Kiev, graças à atual eficácia da defesa aérea ucraniana.
"O importante é que as forças de ataque da Ucrânia possuam suficientes sistemas de defesa aérea que protejam as tropas diretamente. Elas serão acompanhadas por uma defesa aérea no nível tático-operativo, que cobrirá territórios inteiros. Esse é um fator a ser considerado e levado muito a sério", alerta Zhdanov.
Moral dos soldados é vital
O coronel reformado ressalva, contudo, que o resultado da contraofensiva não depende unicamente dos baluartes russos nas regiões ocupadas, os quais, segundo os analistas, são capazes de deter uma grande avanço do exército ucraniano.
"O elemento mais importante da defesa é: não importa o quanto os soldados se enterrem ou se fortifiquem, tudo depende de sua vontade de se defender e de seu estado emocional e psíquico."
Zhdanov recorda que durante a ocupação de Kherson, por quase meio ano os militares russos haviam erguido baluartes diante da cidade, em três linhas. No entanto, isso não impediu que ela fosse libertada pelas forças armadas ucranianas.
"A meta da Ucrânia deve ser imobilizar a liderança militar russa e fazer os soldados russos entrarem em pânico", explicou à CNN Franz-Stefan Gady, especialista em táticas de combate modernas e analista do Institute for International Strategic Studies de Londres. Ele crê que surpresa tática, liderança no campo de batalha e moral de combate serão decisivas nas primeiras 24 horas da ofensiva.
Oleh Zhdanov lembra que na libertação da região de Kharkiv unidades altamente móveis penetraram nas lacunas entre as estruturas fortificadas e trincheiras sem se envolver na luta. "Elas cuidaram para criar caos e pânico entre o inimigo, e então as tropas de assalto da unidade principal levaram a batalha a cabo."
Situação inédita para forças ucranianas
Lee, do Foreign Policy Research Institute, avalia que, para romper os baluartes russos e liberar os territórios ocupados, os tanques de combate e outros veículos blindados ucranianos precisam proceder de modo coordenado com engenheiros, artilharia e até mesmo aviões. Para tal, serão providenciais os equipamentos militares ocidentais recém-fornecidos.
Entre esses, Zhadnov destaca tanto o sistema americano de remoção de minas M58 MICLIC (Mine Clearing Line Charge) quanto os tanques para formação de pontes provisórias Biber, fornecidos pela Alemanha, que permitem superar pequenos obstáculos; e os tanques de engenharia Dachs. Além disso, a Ucrânia recebeu tanques para remoção de minas.
Para Niklas Masuhr, o apoio ocidental será também importante na capacitação das forças ucranianas para operarem em grupos armados combinados, unindo e concentrando diversas unidades num combate eficaz. Tanto os armamentos com munição fornecidos quanto o apoio informativo continuado terão significado decisivo, frisa o especialista em segurança.
Segundo o major-general reformado australiano Mick Ryan, um planejamento inteligente por parte da Ucrânia poderá ser ainda mais determinante do que os armamentos ocidentais, com "treinamento dos membros de batalhões, brigadas e da liderança para operações complexas com grupos armados combinados", pois se trata de uma operação de solo extremamente difícil.
Masuhr concorda, alertando: "Nunca vimos ataques do exército ucraniano a posições russas tão fortificadas como essas. As contraofensivas anteriores foram contra tropas russas debilitadas, dispersas. A situação atual é totalmente diferente."

Source: Especialistas avaliam pontos fracos da Rússia frente à contraofensiva ucraniana
  • Visualizações 48 
  • LEIA SEMPRE AQUI!
  • 0 Respostas




Similar topics (5)