Líderes de 8 países participam da Cúpula da Amazônia, no Pará

Iniciado por noticias, 09, Agosto, 2023, 00:55

Tópico anterior - Tópico seguinte

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Líderes de 8 países participam da Cúpula da Amazônia, no Pará


     O presidente da Colômbia criticou a exploração de petróleo na região - em debate no Brasil. Líderes de 8 países participam da Cúpula da Amazônia, no Pará
Líderes e chefes de Estado dos oito países amazônicos estão participando da Cúpula da Amazônia, no Pará.
Catorze anos depois da última reunião, o registro do reencontro. Em Belém, líderes mundiais que integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica negociam propostas para fechar um acordo final.
Fazem parte da OTCA oito países que abrigam a Floresta Amazônica. Cinco chefes de Estado do grupo vieram para a Cúpula da Amazônia; os presidentes do Equador, Suriname e Venezuela mandaram representantes para participar das discussões. Nicolás Maduro, que tinha confirmado presença, cancelou a vinda alegando problemas de saúde.
No discurso de abertura do encontro, o presidente Lula disse que é urgente que os países cooperem entre si para superar problemas comuns e promover uma nova economia sustentável para a região.
"Nunca foi tão urgente retomar e ampliar essa cooperação. Os desafios da nossa era, e as oportunidades que surgem, demandam ação conjunta. Precisaremos conciliar a proteção ambiental com a inclusão social; o fomento à ciência, tecnologia e inovação; o estímulo à economia local; o combate ao crime internacional; e a valorização dos povos indígenas e de comunidades tradicionais e seus conhecimentos ancestrais", declarou Lula.
O presidente Lula discursou duas vezes. No segundo discurso, Lula declarou que a Amazônia é um passaporte para os países da região saírem de um lugar subalterno de fornecedores de matéria-prima:
Lula na Cúpula da Amazônia
JN
"Em um sistema internacional que não foi construído por nós, foi nos reservado historicamente o lugar subalterno de fornecedores de matérias-primas. A transição ecológica justa nos permite mudar esse quadro. A Amazônia é nosso passaporte para uma nova relação com o mundo, uma relação mais simétrica, na qual nossos recursos não serão explorados em benefício de poucos, mas valorizados e colocados a serviço de todos. Todo mundo, em qualquer lugar que eu vou, só fala da Amazônia e agora é a Amazônia que levanta sua voz para falar para o mundo".
Há um consenso entre os líderes de que é necessário estabelecer uma nova relação com a Amazônia e fortalecer a união entre os países da OTCA para enfrentar a crise climática que ameaça biodiversidade e o futuro do planeta, mas alguns temas ainda geram divergências.
O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, disse que o planeta está avisando que o momento é de mudar a lógica de desenvolvimento e fez duras críticas à exploração de petróleo na bacia da Foz do Amazonas.
"Aqui surge um conflito ético enorme, especialmente para as forças progressistas, que deveriam estar sintonizadas com a ciência. O planeta agora precisa deixar de usar o petróleo, o carvão e o gás", afirmou.
O governo brasileiro ainda discute a possibilidade de a Petrobras fazer pesquisas para avaliar a viabilidade de retirar petróleo na região. Uma das soluções para combater ilegalidades é rastrear cadeias produtivas, porque isso ajuda a identificar a origem dos produtos florestais.
No Pará, anfitrião do encontro, o Cadastro Ambiental Rural ganhou uma versão informatizada. O CAR é uma espécie de RG dos imóveis. A digitalização de processo, até então exclusivamente manual, promete, segundo o governo do estado, regularizar e incluir no sistema de monitoramento milhares de propriedades rurais, beneficiando os produtores legais.
"Esta é uma ferramenta que permite com que a propriedade rural esteja ativa e com oportunidades, a partir daí, de gerar parcerias, gerar oportunidades de acesso a crédito e alavancar a sua produção. Até o final deste ano, nós poderemos estar com um terço de todas as propriedades rurais do estado ativadas no seu cadastro ambiental", afirmou Helder Barbalho, governado do Pará.
Houve protesto do lado de fora do centro de convenções. O cacique Raoni, uma das principais lideranças indígenas mundiais, participou de uma marcha em repúdio à violência em territórios indígenas.
A Cúpula da Amazônia divulgou uma carta de intenções. A declaração de Belém apresentou mais de 100 objetivos a serem implementados pelos países da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica, mas o documento não estabelece prazos nem indicadores a serem alcançados.
Os países se comprometeram a estabelecer uma aliança de combate ao desmatamento.
Sobre mudanças climáticas, o grupo cita que vai estabelecer um diálogo sobre o tratamento a ser dado À Amazônia SOBRE o tema
Fala em implementar agenda de adaptação às mudanças do clima para impulsionar recursos e  estimular os países desenvolvidos a cumprir a meta de financiar US$ 100 bilhões por ano para apoiar as necessidades dos países em desenvolvimento
Também fala em iniciar diálogos sobre sustentabilidade de setores como mineração e hidrocarbonetos, mas não fala explicitamente sobre exploração de petróleo, um tema bastante discutido durante a cúpula
Os países também se comprometeram em promover ações conjuntas e cooperação policial para prevenir e combater atividades ilícitas na Amazônia
Os líderes também se comprometem a expandir a pesquisa cientifica na Amazônia, com a participação e a proteção das populações indígenas.
LEIA TAMBÉM
Cúpula da Amazônia: presidentes e chefes de Estado chegam ao evento em Belém; confira programação
Na abertura da Cúpula da Amazônia, Lula diz que 'nunca foi tão urgente' ampliar cooperação na região
Raoni não consegue falar com Lula em Cúpula da Amazônia e é recebido por ministros em copa

Source: Líderes de 8 países participam da Cúpula da Amazônia, no Pará
  • Visualizações 44 
  • LEIA SEMPRE AQUI!
  • 0 Respostas




Tópicos semelhantes (5)