Mensagens recentes

Páginas: [1] 2 3 ... 10
1
PEDIDOS DE ESQUEMAS E ARQUIVOS! / Re: Esquema Philco PH21SS versão -e-1
« Última mensagem por Edelvécio em Hoje às 10:05:19 »
Saudações. Sou novo no fórum. Queria ajuda de vocês. Estou vendo nesse tópico o ícone de arquivo anexado, mas não consigo visualizar o arquivo. Podem me ajudar?
2
LEIA SEMPRE AQUI! / Imagens do dia 21 de janeiro de 2019
« Última mensagem por noticias em Hoje às 03:00:26 »
Imagens do dia 21 de janeiro de 2019


    Uma pequena rinoceronte fêmea com 3 semanas de idade corre diante de sua mãe, chamada Karen Peles, afugentando pombos em recinto do Safari Zoo em Ramat Gan, Israel
Corinna Kern/Reuters
Devotos se aquecem ao redor do fogo enquanto se preparam para o festival Swasthani Brata Katha em Bhaktapur, no Nepal
Navesh Chitrakar/Reuters
Juízes, advogados e servidores do Judiciário realizam protesto em defesa da Justiça do Trabalho em frente ao Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, na Avenida Marquês de São Vicente, em São Paulo
Bruno Escolastico/Futura Press/Estadão Conteúdo
Devotos do Hinduísmo se reúnem no templo da Caverna Batu durante o Thaipusam, festival celebrado na lua cheia do mês Tamil, em Kuala Lumpur, na Malásia
Lai Seng Sin/Reuters
Combinação de fotos mostra a Lua completamente eclipsada, no centro, e as diferentes fases do eclipse lunar total conforme visto de Los Angeles, Califórnia, na noite de domingo (20)
Ringo H.W. Chiu/AP
VEJA MAIS
Eclipse lunar é visto do Memorial JK, em Brasília, na noite de domingo (20)
Eraldo Peres/AP
Source: Imagens do dia 21 de janeiro de 2019
3
Apagão atinge Panamá a três dias da chegada do Papa Francisco


   Parte do país também ficou sem água. Visita de pontífice é para Jornada Mundial da Juventude.  Metrô na Cidade do Panamá fechado após apagão no domingo 21 de janeiro
REUTERS/Erick Marciscano
Um apagão maciço foi registrado no Panamá neste domingo (21), deixando parte do país sem luz e sem água, três dias antes da chegada do Papa Francisco por ocasião da Jornada Mundial da Juventude-2019, confirmaram autoridades.
Comércios sem luz e semáforos inativos dominavam a Cidade do Panamá por volta do meio-dia, segundo um jornalista da AFP no local. As operações do metrô foram interrompidas e as estações, esvaziadas.
Às 11H42 locais (14H42 em Brasília) ocorreu o corte de energia na Cidade do Panamá e em amplas regiões da província, detalhou o gerente da Empresa de Transmissão Elétrica, S.A. (Etesa), Gilberto Ferrari, acrescentando que 70% do serviço já foi restabelecido.
Outros países da América Central, como os vizinhos Costa Rica e Nicarágua, também foram afetados.
"Apresentou-se um evento no sistema integrado nacional que afetou o serviço de energia elétrica em vários setores do país. As equipes estão trabalhando para restabelecer o serviço o mais rapidamente possível", informou a Etesa no Twitter, mais cedo.
Sem definir as causas da falha elétrica, a Etesa havia apontado que o serviço começou a ser restabelecido "paulatinamente".
No entanto, pouco depois, a companhia afirmou que um incidente elétrico na Nicarágua fez com que se perdesse "a carga que havia sido recuperada". Não deu maiores detalhes sobre o ocorrido.
Apesar do corte de energia, o aeroporto internacional de Tocumen e o Canal do Panamá mantiveram suas operações.
Abastecimento de água afetado
O apagão afetou o abastecimento de água em várias partes do país, onde as estações de tratamento de água ficaram sem funcionar, entre elas a que abastece principalmente a capital panamenha.
As estações de tratamento de água "estão fora de serviço devido à falha registrada na rede elétrica", tuitou o Instituto de Aquedutos e Esgotos Nacionais do Panamá (IDAAN).
O presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, pediu calma após o incidente.
"Todos os protocolos de segurança e emergência foram ativados imediatamente (...). Fazemos um chamado ao país a manter a normalidade", disse Varela em coletiva de imprensa na sede da Etesa.
Causa não esclarecida
O mandatário negou que a falha tenha ocorrido por uma sobrecarga de instalações elétricas devido a uma maior demanda relacionada com as atividades de preparação para a visita do pontífice, que ocorrerá de quarta-feira (23) até o próximo domingo, 27 de janeiro.
"É um incidente que não está vinculado a nenhuma questão de demanda", expressou Varela, acompanhado de Ferrari.
Ferrari informou que o corte se originou por problemas com a linha de energia entre a localidade de La Chorrera e a Cidade do Panamá, mas disse que as causas ainda não foram determinadas.
Domingo Espitia, coordenador das forças de segurança panamenhas por ocasião da visita de Francisco, afirmou que "todos os planos de contingência previstos" foram ativados com sucesso perante o incidente, e que o país está preparado para lidar com este tipo de situação.
Trata-se da primeira visita de um pontífice ao país caribenho desde 1983, quando João Paulo II fez uma viagem pela América Central.
Espera-se a participação de ao menos 200.000 peregrinos procedentes de 150 países durante a Jornada Mundial da Juventude.
Source: Apagão atinge Panamá a três dias da chegada do Papa Francisco
4
Príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II, é flagrado dirigindo sem cinto após acidente


   Polícia entrou no caso depois que a imprensa publicou fotos tiradas sábado em que o príncipe dirigia sem o cinto de segurança na propriedade real de Sandringham, em Norfolk, leste da Inglaterra. Príncipe Philip deixa hospital Papworth, no sul da Inglaterra, em foto de dezembro de 2011
Neil Hall/Arquivo/Reuters
O príncipe Philip, de 97 anos, marido da rainha Elizabeth II, teve que conversar com a polícia depois de dirigir sem o cinto de segurança dois dias após se envolver em um acidente de trânsito.
A polícia se ocupou do caso depois que a imprensa publicou fotos tiradas no sábado em que o príncipe dirigia sem o cinto de segurança na propriedade real de Sandringham, em Norfolk, leste da Inglaterra.
Uma porta-voz da polícia de Norfolk informou que os seguranças estavam a par das fotografias e assinalou que "foram dados os conselhos apropriados ao motorista".
"Isto corresponde à nossa reação habitual quando tomamos conhecimento de imagens assim, onde se mostra este tipo de delito", assinalou.
Na quinta-feira (17), o príncipe saiu ileso de um acidente de trânsito perto de Sandringham, em Norfolk, leste da Inglaterra, onde passa grande parte do inverno com Elizabeth II. O carro que ele dirigia virou após sair de um caminho da propriedade real para entrar em uma estrada e se chocou com outro veículo, no qual viajavam duas mulheres, que acabaram feridas, e um bebê, que não se feriu.
Vidro quebrado é visto em local onde o carro do duque de Edimburgo e outro veículo se acidentaram, em Sandringham, na Inglaterra, na quinta-feira (17)
Sam Russell/PA via AP
A passageira Emma Fairweather se queixou na edição deste domingo do jornal "Sunday Mirror" de não ter recebido um pedido de desculpas do príncipe. "Tenho a sorte de continuar viva, e ele sequer se desculpou", disse ao jornal. "Foi um momento tão traumático e doloroso que eu esperava mais da família real."
"Segundo o procedimento habitual referente a colisões com feridos, o acidente será investigado e serão tomadas as medidas adequadas", informou na sexta-feira a polícia de Norfolk.
Conhecido por seu temperamento impetuoso e suas piadas politicamente incorretas, o duque de Edimburgo se retirou das atividades públicas em 2017, após participar de mais de 22 mil atos públicos oficiais desde que sua mulher passou a ocupar o trono, em 1952.
Source: Príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II, é flagrado dirigindo sem cinto após acidente
5
LEIA SEMPRE AQUI! / Passa de 70 o número de mortos em explosão de oleoduto no México
« Última mensagem por noticias em 20,Janeiro, 2019, 21:04:26 pm »
Passa de 70 o número de mortos em explosão de oleoduto no México


   Segundo autoridades, moradores invadiram a área para coletar combustível após um vazamento causado por ladrões; país passa por onda de roubo de combustíveis. Moradores da região checam lista de feridos por explosão que atingiu dutos de combustível da Pemex, em Tlahuelilpan, no México, na madrugada de sábado (19)
Reuters/Henry Romero
Chegou a 73 o número de mortos na explosão de um oleoduto da empresa estatal Petróleos Mexicanos (Pemex) na sexta-feira (18), no estado central de Hidalgo, no México. Pelo menos 76 pessoas ficaram feridas.
Ernesto Sierra, representante das famílias das vítimas, disse que cinco corpos, totalmente carbonizados, foram encontrados dentro de um buraco onde a gasolina havia se acumulado ao redor da fissura no oleoduto.
Sobe para 73 o número de mortos em explosão de oleoduto no México
A nova contagem foi confirmada pelo governador de Hidalgo, Omar Fayad, à emissora de TV ForoTV, de acordo com a Associated Press.
Entre as vítimas, há dois adolescentes de 15 anos e uma criança de 2 anos, segundo a agência Efe.
O acidente ocorreu no final da tarde, no município de Tlahuelilpan, quando dezenas de pessoas aproveitavam um vazamento no local para transportar o combustível em baldes e vasilhas.
Peritos trabalham em local onde explosão atingiu dutos de combustível da Pemex, em Tlahuelilpan, no México, no sábado (19)
Reuters/Henry Romero
A explosão do duto, que havia sido supostamente perfurado por ladrões, lançou labaredas aos céus  de Tlahuelilpan, no estado de Hidalgo, região central do México.
O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, prometeu neste sábado intensificar os esforços para erradicar o roubo de combustível, após a tragédia.
"Nos comunicaram este trágico acidente, onde há muitas pessoas queimadas, que estavam no local tentando coletar combustível que escapou por um vazamento", explicou o governador Omar Fayad, em entrevista aos canais de televisão "Milenio" e "Foro TV".
Militares são vistos perto de área onde explosão atingiu dutos de combustível da Pemex, em Tlahuelilpan, no México, na madrugada de sábado (19)
National Defence Secretary/Handout via Reuters
Muitos dos feridos sofreram queimaduras graves, e existe o temor que haja mais corpos carbonizados perto do duto.
O prefeito do município, Juan Pedro Cruz, disse aos jornalistas locais que o vazamento teve início às 17 horas ( 23 horas em Brasília). Militares do Exército tentaram isolar a área, mas não conseguiram controlar as cerca de 200 pessoas que haviam invadido o local para pegar o combustível.
Ele disse que os militares pediram aos moradores que deixassem a área, mas eles não obedeceram e a tragédia aconteceu. Quando explodiu, o combustível criou uma espécie de barreira de fogo onde estava concentrada grande parte das pessoas.
"Lamento muito a grave situação em Tlahuelilpan devido à explosão de um oleoduto. Estou em Aguascalientes e, desde que o diretor da Pemex e o Secretário de Defesa me informaram, dei instruções para controlar o incêndio e atender as vítimas", escreveu o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, em mensagem no Twitter.
Initial plugin text
Imagens de vídeos mostraram moradores em correria para encher galões com combustível vazado do duto em meio a vítimas queimadas, levantando questionamentos sobre como López Obrador tem lidado com a questão, uma de suas promessas desde que assumiu o cargo, em 1º de dezembro.
Veterano de esquerda, López Obrador lançou em 21 de dezembro uma operação de repressão e ordenou o fechamento temporário de dutos para interromper os desvios ilegais de bilhões de dólares da petroleira estatal Petróleos Mexicanos (Pemex), afundada em dívidas.
“Estamos longe de terminar o combate... contra o roubo de combustível, que vai se tornar mais forte, vamos continuar até que tenhamos erradicado essa prática”, disse López Obrador, que prometeu intensificar a presença de forças de segurança em áreas sensíveis.
Fogo consome local da explosão de um oleoduto no México, na noite de sexta-feira (18).
Francisco Villeda/AFP
Vídeos publicados em redes sociais mostraram pessoas enchendo galões junto ao duto durante o dia e na presença de forças armadas, levando a questionamentos sobre o motivo das autoridades não terem agido.
O governo diz que os soldados chegaram ao local depois de a Pemex ter detectado a perfuração ilegal, mas não tiveram tempo de assumir o controle da área.
Equipes resgatam pessoa ferida em explosão de oleoduto no México, na noite de sexta-feira (18).
Alfredo Estrella/AFP
A Pemex, por um comunicado, afirmou que funcionários especializados, em coordenação com autoridades de todos os níveis, cuidavam do incêndio. O titular da Secretaria de Segurança e Proteção do Cidadão (SSPC), Alfonso Durazo, foi até o local.
No estado mexicano de Queretaro, explodiu outro duto da Pemex no município de San Juan del Río, na tarde de sexta (18), mas não havia informações de mortos ou feridos.
Explosão de oleoduto deixa dezenas de mortos no México
Alexandre Mauro/G1
Source: Passa de 70 o número de mortos em explosão de oleoduto no México
6
Marcha contra aborto em Washington, nos EUA, tem discurso de vice e mensagem de Donald Trump


   Durante a campanha, Trump propôs indicar juízes conservadores para a Suprema Corte e reverter decisão que legalizou aborto no país.  Manifestantes contra o aborto na Marcha Pela Vida, em Washington, nos EUA
Jose Luis Magana/AP Photo
Dezenas de milhares de manifestantes foram às ruas de Washington nesta sexta-feira (18) para participar da Marcha pela Vida – manifestação contrária à legalização do aborto. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enviou mensagem em vídeo aos participantes da passeata.
"Quando olhamos para nos olhos de uma criança recém-nascida, vemos a beleza, a alma humana e a grande da criação de Deus. Sabemos que toda vida faz sentido", afirmou Trump em uma mensagem transmitida em um telão instalado na Esplanada Nacional da capital.
Pouco antes, os manifestantes aplaudiram a aparição de Pence, que estava acompanhado da esposa, Karen. O vice-presidente subiu no palco montado para o protesto e afirmou que a atual geração americana vai "restaurar o direito a vida nos EUA".
"O presidente Trump é o presidente mais pró-vida da história do país. A vida está vencendo de novo nos EUA", ressaltou Pence.
Depois da concentração na Esplanada Nacional, os manifestantes saíram em direção à Suprema Corte para exigir que os juízes ampliem as restrições legais para o acesso ao aborto no país. Alguns deles, inclusive, pediam que a prática fosse proibida nos EUA.
Aborto nos EUA
Manifestantes contra o aborto protestam em frente à Suprema Corte dos EUA, em Washington
Joshua Roberts/Reuters
Com a chegada de Trump ao poder, o movimento contra o aborto ganhou força no país. Os ativistas consideram que a nomeação de dois juízes para a Suprema Corte nos últimos anos pode fazer com que o órgão revise a legalização do aborto, em vigor desde 1973.
Apesar da maioria conservadora na Suprema Corte, os republicanos perderam o controle da Câmara dos Representantes para os democratas. Desta forma, a oposição pode bloquear possíveis tentativas do governo de restringir o acesso às clínicas de aborto ou financiamento de programas de planejamento familiar.
"Prometemos usar todas as ferramentas legislativas e de vigilância que tivermos em nossas mãos para investigar e frear o ataque do governo Trump contra as mulheres", disse a congressista democrata Judy Chu, da Califórnia.
A Marcha pela Vida ocorreu pela primeira vez em 1974, um ano depois da sentença do caso conhecido como Roy vs. Wade, que legalizou o aborto em todo o país.
Source: Marcha contra aborto em Washington, nos EUA, tem discurso de vice e mensagem de Donald Trump
7
LEIA SEMPRE AQUI! / Bolsonaro condecora Netanyahu com Ordem do Cruzeiro do Sul
« Última mensagem por noticias em 19,Janeiro, 2019, 15:01:04 pm »
Bolsonaro condecora Netanyahu com Ordem do Cruzeiro do Sul


   Ordem é a principal condecoração brasileira concedida a estrangeiros. Primeiro-ministro de Israel esteve na posse de Bolsonaro. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o presidente Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro, em dezembro do ano passado
EPA
O presidente Jair Bolsonaro condecorou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul. O decreto com a concessão da honraria foi publicado na edição desta sexta-feira (18) do "Diário Oficial da União".
Concedida pelo Presidente da República, a Ordem do Cruzeiro do Sul é a mais alta condecoração brasileira destinada a estrangeiros (mais informações ao final da reportagem).
Netanyahu recebeu a distinção em um momento de aproximação entre Brasil e Israel, que pode resultar na transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.
Visita ao Brasil
Netanyahu veio ao Brasil no final dezembro e compareceu à posse de Bolsonaro na Presidência da República, em 1º de janeiro. Foi a primeira visita oficial de um premiê de Israel ao Brasil.
Bolsonaro e Netanyahu tiveram um encontro, no qual reafirmaram a intenção de estreitar os laços entre os dois países e fazer parcerias em diversos setores. O israelense chamou o brasileiro de "grande amigo", "grande aliado" e "grande irmão".
"Entendemos que nossa cooperação mútua possa render enormes benefícios aos nossos dois povos em áreas como economia, emprego, segurança, agropecuária, recursos hídricos, todas as esferas da atividade humana”, disse o primeiro-ministro na oportunidade.
Bolsonaro, por sua vez, afirmou que planeja retribuir a visita em março. Em Israel ele deseja negociar acordos de cooperação tecnológica e nas áreas de agricultura, segurança, militar, pesca, entre outras.
O presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante visita à sinagoga no Rio de Janeiro
Fernando Frazão/Agência Brasil
Mudança da embaixada
Em novembro do ano passado, após vencer a eleição presidencial, Bolsonaro declarou que pretende transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, a exemplo do que fez Donald Trump. A embaixada norte-americana em Jerusalém foi inaugurada em maio.
Até o momento, o Brasil não oficializou a transferência. A medida é polêmica, porque representa o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e gerou o receio de retaliações comerciais de países árabes, grandes compradores de carne bovina e de frango do Brasil.
Israel considera Jerusalém a "capital eterna e indivisível" do país. Mas os palestinos não aceitam e reivindicam Jerusalém Oriental como capital de um futuro Estado palestino.
A Ordem do Cruzeiro do Sul
A Ordem Nacional do Cruzeiro Sul é uma honraria destinada a estrangeiros, concedida por meio de decreto presidencial. Conforme o Ministério das Relações Exteriores (MRE), a condecoração é a “mais alta condecoração brasileira atribuída a cidadãos estrangeiros”.
Netanyahu recebeu a ordem no grau de “grão-cruz”, o segundo dos cinco graus da honraria. Segundo o MRE, a distinção foi criada pelo imperador Dom Pedro I, foi abolida após a proclamação da República e resgatada por Getúlio Vargas em 1932.
Source: Bolsonaro condecora Netanyahu com Ordem do Cruzeiro do Sul
8
LEIA SEMPRE AQUI! / Britânico e americano estão entre os mortos de ataque em Nairóbi
« Última mensagem por noticias em 18,Janeiro, 2019, 03:01:26 am »
Britânico e americano estão entre os mortos de ataque em Nairóbi


   De acordo com a Cruz Vermelha, 30 pessoas ficaram feridas e 50 ainda estão desaparecidas. Ataque reivindicado pelo Al Shabab deixou 14 mortos. Parentes de vítimas do ataque a complexo com hotel de luxo no Quênia aguardam nesta quarta-feira (16) liberação dos corpos ao lado de caixões
Ben Curtis/AP Photo
Um britânico e um americano estão entre as 14 vítimas mortais do ataque cometido nesta terça-feira a um luxuoso complexo hoteleiro de Nairóbi, no Quênia, informaram nesta quarta-feira (16) as embaixadas do Reino Unido e dos Estados Unidos. O ataque foi reivindicado pelo grupo jihadista Al Shabab, que tem base na Somália.
O ataque foi realizado com o uso de explosivos, rifles de assalto e um terrorista suicida no complexo que fica no bairro de Westlands, onde estão vários negócios, restaurantes e o luxuoso hotel DusitD2, um lugar frequentado por homens de negócios e onde empresas e organismos realizam diariamente conferências e reuniões.
Ataque a hotel no Quênia termina com 14 mortos
De acordo com o governo, 700 pessoas conseguiram sair do local. A Cruz Vermelha do Quênia informou nesta quarta que 30 feridos foram transportados a diferentes hospitais e que 50 pessoas seguem desaparecidas depois do ataque.
Imagem de câmera de segurança mostra agressores fortemente armados entrando em complexo de hotel nesta terça-feira (15) em Nairóbi, no Quênia
Security Camera Footage via AP
"Lamento confirmar que acreditamos que pelo menos um cidadão britânico foi assassinado no ataque. Estamos dando todo o apoio à família e amigos neste momento difícil", disse o embaixador britânico, Nic Haley, em mensagem gravada e divulgada no Twitter.
Initial plugin text
Da mesma maneira se expressou o diplomata americano, Bob Godec, ao confirmar a morte de um homem americano.
"Estamos dando assistência à família da vítima e a outros cidadãos americanos que foram afetados", afirmou o embaixador americano.
Initial plugin text
Ambas as embaixadas informaram que apoiaram as autoridades quenianas durante o ataque, que começou nesta terça-feira por volta das 15h local (9h, em Brasília) e acabou nesta quarta por volta das 9h30 local (3h30, em Brasília) com a morte de 14 das vítimas, segundo o governo queniano.
 Os trabalhos de resgate e recuperação de corpos ainda seguem em andamento.
Mulher ferida em ataque a hotel em Nairóbi, no Quênia, é atendida por serviço médico
Luis Tato/ AFP
Funcionária da Cruz Vermelha apoia parente de vítima de ataque a hotel de Nairóbi, no Quênia
Brian Inganga/AP Photo
Policial escolta pessoas para fora de complexo hoteleiro atingido por atentado em Nairóbi, Quênia
Baz Ratner/Reuters
Carro em chamas é visto nesta terça-feira (15) na entrada de hotel em Nairóbi em que foram registrados explosão e tiros
Thomas Mukoya/Reuters
Bombeiro observa carros destruídos em atentado em Nairóbi, no Quênia
Njeri Mwangi/Reuters
Pessoas são retiradas às pressas de complexo hoteleiro em Nairóbi, no Quênia, nesta terça-feira (15)
Simon Maina / AFP
Source: Britânico e americano estão entre os mortos de ataque em Nairóbi
9
O que condenação de canadense à morte na China mostra sobre crise diplomática entre os países


   Para especialistas em relações internacionais, a escolha pela pena capital seria uma forma de retaliar o Canadá pela prisão da executiva da Huawei Meng Wenzhou. Robert Lloyd Schellenberg foi inicialmente condenado a 15 anos de prisão, mas, na segunda, um tribunal decidiu aplicar a pena de morte
Handout/HO/AFP
Um tribunal da China sentenciou um canadense à pena de morte por tráfico de drogas, numa decisão que agrava o conflito diplomático entre os dois países.
Robert Lloyd Schellenberg havia sido condenado a 15 anos de prisão em novembro de 2018. Agora, um tribunal de segunda instância considerou a decisão muito "leniente" e optou pela pena capital.
Mas a radical mudança de posicionamento está sendo vista como uma possível retaliação diplomática.
A decisão ocorre poucas semanas após o Canadá prender, a pedido dos Estados Unidos, a executiva Meng Wanzhou, uma das dirigentes da gigante de tecnologia chinesa Huawei.
"Causa grande preocupação a nós como governo, assim como deve ser para todos os nossos amigos e aliados internacionais, que a China tenha escolhido aplicar de forma arbitrária a pena de morte, como no caso do canadense", reagiu o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau.
O governo canadense também mudou os conselhos destinados a cidadãos do país com viagem prevista para a China, pedindo que atuem com "alto grau de cuidado" quando estiverem no território do país asiático.
Já a China respondeu com irritação às críticas de Trudeau. O ministro de Relações Exteriores chinês disse que estava "altamente insatisfeito" com os comentários do premiê e que os canadenses "precisam respeitar a soberania da China".
Caso Schellenberg
O canadense de 36 anos sentenciado à morte foi preso em 2014, acusado de planejar o contrabando de 227 kg de metanfetamina da China para a Austrália.
Schellenberg foi condenado a 15 anos de prisão em novembro, mas um tribunal de segunda instância na cidade de Dalian trocou a sentença para a pena de morte na segunda (14).
"Eu não sou um traficante de drogas. Eu vim à China como turista", disse Schellenberg, segundo a agência de notícias AFP, pouco antes da sentença ser anunciada. A tia do canadense, Lauri Nelson-Jones, disse que a pena de morte era "uma situação horrorosa, infeliz e de partir o coração".
"É a confirmação do nosso maior medo. É impossível imaginar o que ele deve estar sentindo e pensando", afirmou.
Acredita-se que a China execute mais pessoas por ano que qualquer outro país, mas os números são mantidos em sigilo.
O grupo de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional afirma que milhares de pessoas são executadas a cada ano - mais do que os números de execuções em todos os países somados.
Vários estrangeiros já foram executados por crimes relacionados a drogas no passado, entre os quais o britânico Akmal Shaikh, executado em 2009 apesar das alegações de que ele tinha problemas mentais e do apelo por clemência feito pelo primeiro-ministro do Reino Unido.
Diplomacia de pressão
A condenação à morte de Schellenberg é vista com suspeita por analistas internacionais já que ocorre num momento em que a China está indignada com a prisão de Meng Wanzhou, 46 anos, filha do fundador da Huawei.
O caso deteriorou as relações da China com o Canadá e os Estados Unidos. Wanzhou foi liberada sob fiança em dezembro, mas permanece no Canadá sob constante vigilância e precisa usar uma tornozeleira eletrônica até que as autoridades do país decidam se atendem ao pedido do governo americano para que ela seja extraditada aos Estados Unidos.
A executiva chinesa é acusada pelos EUA de usar, entre 2009 e 2015, uma subsidiária da Huawei, a Skycom, para burlar sanções econômicas impostas ao Irã.
Ela nega. E a China acusa os o governo americano de usar a prisão como instrumento de pressão na guerra comercial travada entre o país asiático e os Estados Unidos.
Meng Wanzhou é filha do fundador da Huawei e alta executiva da gigante de tecnologia chinesa. Para analistas, a pena de morte a um cidadão canadense é resposta da China à prisão de Meng
EPA
Nas semanas subsequentes à prisão de Wanzhou, a China deteve dois cidadãos canadenses. O ex-diplomata Michael Kovrig e o empresário Michael Spavor foram acusados de ameaçarem a segurança nacional.
O governo chinês negou, também nesses dois casos, qualquer ligação com o caso de Meng Wanzhou, mas alguns especialistas em relações internacionais enxergam relação direta.
Donald Clarke, pesquisador em Direito chinês na George Washington University, nos Estados Unidos, diz que a pena de morte a Schellenberg é um "passo sem precedentes na diplomacia chinesa".
"Eu vi casos que considerei injustos antes, mas não me lembro de nenhum que parecesse tão desconectado assim da inocência ou culpa do acusado", disse Clarke ao serviço chinês da BBC.
Nos últimos dias, a China se esforçou para dar ao caso de Schellenberg prominência internacional. Numa atitude incomum, as autoridades chinesas convidaram jornalistas estrangeiros para assistir ao julgamento no tribunal, relatou o repórter da BBC John Sudworth.
Apesar da insistência do canadense em dizer que é inocente, o julgamento dele durou apenas um dia - e pena de morte foi anunciada menos de uma hora depois da conclusão dos depoimentos.
Um editorial publicado nesta terça (25) no jornal nacionalista chinês "Global Times" afirma que "a especulação desarrazoada" da imprensa ocidental ligando o caso à prisão de Meng Wenzhou demonstra "um desprezo desrespeitoso à lei chinesa".
"O julgamento também envia a mensagem de que a China não vai ceder à pressão externa na implementação das suas leis", afirma o jornal.
No entanto, em dezembro, o editor do "Global Times" alertou que a China "definitivamente adotaria medidas de retaliação ao Canadá" se Meng Wanzhou não fosse libertada.
"Se o Canadá extraditar Meng aos Estados Unidas, a vingança da China será muito pior que a prisão de um canadense", disse Hu Xijin num vídeo postado no site do "Global Times".
Source: O que condenação de canadense à morte na China mostra sobre crise diplomática entre os países
10
LEIA SEMPRE AQUI! / Jovem que fugiu da família narra 'vida de escrava' na Arábia Saudita
« Última mensagem por noticias em 16,Janeiro, 2019, 15:01:26 pm »
Jovem que fugiu da família narra 'vida de escrava' na Arábia Saudita


   Rahaf Mohamed, que conseguiu asilo no Canadá, diz que era agredida pela mãe e irmão e que considerou suicídio. Saudita Rahaf Mohammed, de 18 anos, chega ao Canadá após fugir de sua família
Chris Young/The Canadian Press via AP
Rahaf Mohamed al-Qunun, a jovem que recebeu asilo no Canadá, contou que fugiu da Arábia Saudita por causa de sua "condição de escrava" e pela violência física infligida a ela por sua mãe e seu irmão.
O caso da moça de 18 anos, que ficou entrincheirada em um quarto de hotel em Bangcoc fazendo campanha on-line, causou uma mobilização internacional. Ela finalmente obteve asilo no Canadá, onde, aparentemente, pretende começar uma vida nova.
"Meu maior medo era que (meus pais) me encontrassem", declarou ela em árabe à emissora CBC, em sua primeira entrevista desde que chegou a Toronto, no sábado (12).
Ela também admitiu ter considerado o suicídio como uma alternativa para escapar da família.
"Fiquei trancada durante seis meses, porque cortei o cabelo", explicou, acrescentando que sofria regularmente "violência física" por parte do irmão e da mãe.
"As mulheres sauditas são tratadas como escravas", enfatizou.
No Canadá, ela contou ter recebido uma carta da família, na qual foi informada, entre outras coisas, de que eles a renegam como filha.
Por esta razão, a adolescente pediu para ser chamada apenas de Rahaf Mohammed e, assim, eliminar o sobrenome de sua família, Al-Qunun.
"Muitas pessoas me odeiam, seja da minha família, ou na Arábia Saudita em geral", acrescentou a jovem com voz embargada.
Futuro no Canadá
Com a ajuda de uma ONG, ela diz que quer estudar inglês e encontrar um emprego no Canadá.
"Senti que não poderia realizar meus sonhos, vivendo na Arábia Saudita", acrescentou, reiterando sua felicidade por ter recebido asilo.
"Eu tive a impressão de que renasci, especialmente quando senti todo esse amor e acolhida", explicou. "Diga aos canadenses que eu os amo", agradeceu.
Fuga
A jovem foi retida na Tailândia na semana passada, ao chegar a Bangcoc, procedente do Kuwait, onde tinha conseguido escapar de sua família. Inicialmente, as autoridades tailandesas ameaçaram deportá-la de volta para casa, a pedido da Arábia Saudita.
Jovem saudita de 18 anos se encontra com oficiais que a escoltaram para fora do aeroporto de Bangkok, na Tailândia
Thai Immigration Bureau / AFP
Rahaf se entrincheirou em um quarto de hotel no aeroporto, tuitando várias mensagens e vídeos desesperados. Logo, chamou a atenção do mundo.
Depois de uma intensa mobilização a seu favor nas redes sociais, as autoridades tailandesas renunciaram à ideia de deportá-la e lhe permitiram sair do aeroporto com representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), que lhe concederam status de refugiada.
País restritivo
A Arábia Saudita é um dos países mais restritivos do mundo em termos de direitos das mulheres, que estão sujeitas à tutela de um homem (pai, marido, ou outro parente). Essa figura masculina exerce autoridade arbitrária sobre elas e toma decisões importantes em suas vidas.
O caso da jovem ocorreu em um período em que muitos olhares se voltam para a questão do respeito aos direitos humanos no país árabe, meses depois do assassinato do jornalista saudita dissidente Jamal Khashoggi, na Turquia.
Source: Jovem que fugiu da família narra 'vida de escrava' na Arábia Saudita
Páginas: [1] 2 3 ... 10