Macron avalia decretar estado de emergência na França após protestos

Iniciado por noticias, 03Dezembro2018, 21:01

« anterior - seguinte »

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

noticias

Macron avalia decretar estado de emergência na França após protestos


   Presidente francês, que chegou da cúpula do G20, em Buenos Aires, visitou o Arco do Triunfo, que foi alvo de manifestantes no sábado.  Presidente da França, Emmanuel Macron, o ministro do Interior da França, Christophe Castaner, o secretário de Estado Laurent Nunez e responsável da polícia de Paris (Michel Delpuech) fazem visitas neste sábado (2), dia seguinte a uma manifestação em Paris
Thibault Camus/Reuters
O presidente francês, Emmanuel Macron, visitou o Arco do Triunfo neste domingo (2) após um dos monumentos mais reverenciados da França ser vandalizado por manifestantes. Ele avalia a possibilidade de decretar estado de emergência após o pior período de tumultos em anos.
No sábado (1º), um confronto dos manifestantes com a polícia na Avenida Champs-Elysées terminou com 287 detidos e 110 feridas, segundo o jornal "Le Monde".
Macron faz reunião de crise na França neste domingo (2)
Mascarados, grupos vestidos de preto percorreram livremente o centro de Paris no sábado (1º), incendiando dezenas de carros e construções, roubando lojas, quebrando janelas e enfrentando a polícia no pior conflito da capital desde 1968, representando o maior desafio que Macron enfrenta em seus 18 meses de Presidência.
Manifestantes fazem barricada na avenida Champs-Élysées, em Paris, neste sábado (1º)
Geoffroy Van Der Hasselt / AFP
Macron e importantes ministros devem se reunir mais tarde neste domingo para considerar abrir uma emergência para evitar uma recorrência dos protestos. O governo deverá abrir diálogo, mas não mudará sua posição, disse o porta-voz Benjamin Griveaux, segundo a Reuters.
Uma revolta popular contra aumentos no imposto sobre combustíveis e alto custo de vida veio à tona de repente em 17 de novembro e se espalhou rapidamente pelas redes sociais. Manifestantes bloquearam estradas ao redor da França e impediram o acesso a shoppings, fábricas e alguns depósitos de combustíveis.
Pichação no Arco do Triunfo, em Paris, afirma 'Os coletes amarelos triunfarão'
Stephane Mahe/ Reuters
Em seu retorno da cúpula do G20 na Argentina, Macron visitou imediatamente o Arco do Triunfo, monumento do século 19 que fica sobre o túmulo do Soldado Desconhecido, e avenidas próximas onde carros foram queimados e lojas de luxo saqueadas.
Imagens de televisão mostram o interior do Arco saqueado, uma estátua de Marianne, símbolo da república francesa, destruída, e pichações no lado de fora do monumento que variam de slogans anti-capitalismo a demandas sociais e pedidos pela renúncia de Macron.
Protesto na Champs-Elysées
Protestos em todo o país reuniram 36 mil pessoas neste sábado (1º), segundo estimativa do primeiro-ministro, Edouard Philippe. Cerca de 5500 manifestantes com "coletes amarelos" fluorescentes (gilets jaunes, em francês) foram à Champs-Elysées.
Um grupo de manifestantes encapuzados e mascarados tentou forçar o bloqueio montado pelas forças de segurança para fazer controles e identificações. Latas de lixo foram derrubadas e queimadas.
A tropa de choque respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e canhões de água.  O Arco do Triunfo foi tomado por uma nuvem de fumaça.
Manifestantes destroem carros durante um protesto em Paris, neste sábado (1º)
Lucas Barioulet / AFP
'Coletes-amarelos'
O movimento que tem como símbolo o "colete-amarelo", que é item obrigatório para os veículos franceses, começou em 17 de novembro. Ele conta com o apoio de dois em cada três franceses e uma petição "por uma redução nos preços do combustível" que superou o milhão de assinaturas.
Símbolo dos manifestantes, colete amarelo é item obrigatório em carros na França
O primeiro dia nacional de protesto mobilizou 282.000 pessoas e a segunda cerca de 106 mil, incluindo 8 mil em Paris.
Desconcertado, o governo não consegue dialogar com representantes do movimento que nasceu nas redes sociais, desvinculado de qualquer comando político ou sindical.
Os anúncios feitos esta semana pelo presidente Emmanuel Macron - um dispositivo para limitar o impacto dos impostos sobre o combustível, assim como um "grande diálogo" - não convenceram, segundo a France Presse.
Bombeiros tentam apagar chamas de carro após protesto em Paris
REUTERS/Stephane Mahe

Source: Macron avalia decretar estado de emergência na França após protestos

Similar topics (5)

TinyPortal 2.0.0 © 2005-2020