O boicote liderado por George Clooney e Elton John contra os hotéis do sultão do Brunei pode resultar na revisão do Código Penal?

Iniciado por noticias, 08Abril2019, 09:03

« anterior - seguinte »

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

noticias

O boicote liderado por George Clooney e Elton John contra os hotéis do sultão do Brunei pode resultar na revisão do Código Penal?

[html]https://s2.glbimg.com/7hm2qnh-2cFMgLjiDIvHRIpu-uU=/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2019/Y/R/A5Bcl7TNaxSmw0BKRPLw/000-1fc092.jpg" />
    Lei islâmica determina o apedrejamento até a morte por sexo gay e adultério.
O sultão de Brunei, Hassanal Bolkiah, durante evento nesta quarta-feira (3)
AFP
A barbárie legitimada no pequeno sultanato de Brunei pela aprovação de novo Código Penal, que autoriza o apedrejamento até a morte de homossexuais, deflagrou uma vigorosa campanha de celebridades pelo boicote a nove hotéis luxuosos que pertencem ao sultão Hassanal Bolkiah.
A lei islâmica, ou sharia, sustenta este pacote de leis, que ainda prevê a amputação de mãos em caso de roubo e o açoitamento de mulheres que abortam. Como reação, o ator George Clooney, o músico Elton John e a apresentadora Ellen DeGeneres lideram a cruzada contra o segundo monarca mais rico do mundo, há meio século no poder, que ostenta uma fortuna pessoal avaliada em US$ 27 bilhões.
"Toda vez que nos hospedamos,  fazemos reuniões ou jantamos em qualquer um desses nove hotéis, estamos colocando dinheiro diretamente nos bolsos de homens que escolhem apedrejar e chicotear até a morte seus próprios cidadãos por serem gays ou acusados de adultério", explicou George Clooney.
Da ONU e da Anistia Internacional vieram condenações. Universidades britânicas, como King's College, Oxford e Aberdeen, estudam retirar títulos concedidos ao sultão, de 72 anos. Há meio século no comando do país, ele ostenta riqueza em propriedades e carros banhados a ouro.  Desde 2014, ele vem intensificando também duras punições a homossexuais na monarquia de 430 mil habitantes.
A sharia ainda é aplicada em países como Afeganistão, Irã, Arábia Saudita e Paquistão. Um caso notório que despertou a comoção da comunidade internacional foi o da iraniana Sakineh Ashtiani, condenada

Similar topics (2)