Por que militares em Israel se opõem a reforma proposta por governo Netanyahu

Iniciado por noticias, 29, Março, 2023, 01:02

Tópico anterior - Tópico seguinte

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Por que militares em Israel se opõem a reforma proposta por governo Netanyahu


     Ex-oficiais e reservistas manifestaram temor de que mudanças impactem capacidade do país de manter sua segurança. Entenda Soldados israelenses em missão em área próxima à fronteira com o Líbano
GETTY IMAGES/via BBC
Diante da proposta de reforma judicial apresentada pelo governo de Benjamin Netanyahu, protestos se instauraram em Israel - e manifestações populares e greves paralisaram o principal aeroporto israelense.
O movimento alcançou também as Forças Armadas e, em particular, reservistas de unidades de elite israelenses.
Nas últimas semanas, centenas deles ameaçaram parar seus serviços caso o plano siga em frente e publicaram cartas abertas para expressar descontentamento. Ex-chefes do Exército e das agências de inteligência também criticaram publicamente a medida.
Alguns membros da Força Aérea ouvidos pela imprensa israelense disseram ainda que não estavam "preparados para servir a um regime ditatorial".
Neste domingo (26), o ministro da Defesa foi demitido do cargo após se posicionar contra a reforma. Yoav Gallant descreveu as mudanças como um "perigo imediato e tangível" para a segurança do Estado.
Em um breve pronunciamento no dia anterior, o agora ex-ministro também afirmou que membros das Forças de Defesa de Israel estavam irritados e desapontados com a questão, em uma intensidade que ele nunca tinha visto antes.
Mas afinal, por que muitos militares em Israel estão contra o pacote de reformas?
Muitos dos integrantes das forças e reservistas que se pronunciaram publicamente alegam que as mudanças podem enfraquecer o Estado e, portanto, representar uma ameaça à segurança de Israel.
Esse se torna um problema ainda maior diante da situação de instabilidade do Oriente Médio e das tensões constantes entre Israel, palestinos e grupos extremistas da região.
Alguns militares ainda acreditam que o país precisa de uma democracia sólida e um Judiciário independente para defender suas ações e condutas nesse ambiente perante a comunidade internacional. E, segundo eles, o projeto apresentado por Netanyahu vai contra os valores democráticos.
No início de março, pilotos de um esquadrão de elite da Força Aérea de Israel decidiram não participar de um treinamento programado em protesto contra as reformas judiciais, mas foram convencidos por seus comandantes a continuar.
Ao mesmo tempo, ex-comandantes da Força Aérea publicaram uma carta aberta na qual pediam que o primeiro-ministro tomasse medidas para resolver a crise.
Protestos se instauraram em Israel contra proposta de reforma judicial apresentada pelo governo de Benjamin Netanyahu
GETTY IMAGES/via BBC
"Temos medo das consequências desses processos e do perigo sério e tangível que representa para a segurança nacional do Estado de Israel", dizia o texto, assinado por mais de uma centena de reservistas.
Cerca de 650 outros oficiais das forças especiais e unidades cibernéticas da reserva afirmaram em uma carta separada que "não serviremos a uma ditadura. O contrato foi quebrado. Estamos prontos para dar nossa vida e alma e o governo deve dar responsabilidade e sanidade".
Depois de completar três anos de serviço obrigatório, muitos israelenses continuam na reserva até os 40 anos, quando o serviço se torna voluntário. Os reservistas são considerados especialmente importantes para as forças locais quando surgem crises de segurança e servem regularmente em operações complexas no exterior.
'Mensagem de fraqueza'
Vários oficiais de segurança aposentados de alto escalão, incluindo o ex-chefe do Mossad Tamir Pardo e o ex-chefe da Shin Bet (Agência de Segurança de Israel) Nadav Argaman, se manifestaram fortemente contra as reformas.
Pardo afirmou em uma entrevista ao Canal 12 que Israel "não precisa de uma bomba nuclear para ser destruído". "Nosso Estado decidiu experimentar um método de autodestruição."
"Israel chegou a uma situação muito perigosa em relação à segregação interna devido ao plano da direita para enfraquecer o sistema judiciário e transformar o país em uma ditadura."
Segundo o militar, a disputa interna atual ainda envia "uma mensagem de fraqueza ao mundo".
"Tenho 70 anos. Nunca imaginei que chegaríamos a este ponto. Este é o maior perigo existencial desde a independência."
Já Nadav Argaman descreveu a reforma como "um carro indo em direção ao abismo".
Em entrevista à mesma emissora de televisão, o ex-chefe da Shin Bet disse que Israel está "virado do avesso". "O anarquista se tornou o governante."
A reforma
Analistas apontam que o pacote de legislações proposto pelo governo de Benjamin Netanyahu pode comprometer seriamente a separação entre os poderes e, em última análise, enterraria a democracia de Israel.
A reforma pode ser resumida em quatro pontos:
Impedir que a Suprema Corte do país revise legislações aprovadas pelo Parlamento
Permitir que o Parlamento rejeite decisões da Suprema Corte com maioria simples, ou seja, com 61 votos em um total de 120 deputados.
Empregar mudanças no comitê responsável pela nomeação de todos os juízes do país, inclusive os integrantes da Suprema Corte, de forma que o governo tenha maior influência
Isenção da obrigação dos ministros de Estado de cumprir determinações de seus assessores jurídicos, orientados pelo Procurador-geral
Proposta de reforma é vista como ameaça à separação entre Poderes e golpe duro à democracia de Israel.
Reuters via BBC
Protestos e greve
Desde o início do ano, grandes protestos têm sido organizados todas as semanas contra os planos anunciados pelo governo de Netanyahu.
A escala das manifestações cresceu nas últimas semanas, com centenas de milhares de pessoas lotando as ruas de Tel Aviv e outras cidades do país. Os manifestantes pedem o fim das reformas e a renúncia do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.
Nas últimas horas, as forças de segurança utilizaram jatos de água para tentar dispersar a multidão que se espalhava pelas ruas de Tel Aviv.
Ainda nesta segunda (27), trabalhadores dos mais diversos campos paralisaram suas atividades em protesto contra o plano.
O maior sindicato do país, que reúne cerca de 800 mil trabalhadores nas áreas de saúde, transporte e bancos, entre outros, anunciou a paralisação de seus membros. O aeroporto de Tel Aviv, o principal do país, foi afetado e o fluxo de saída dos aviões foi bloqueado.
Netanyahu havia marcado um pronunciamento oficial televisionado para esta segunda, mas desmarcou diante dos últimos acontecimentos.

Source: Por que militares em Israel se opõem a reforma proposta por governo Netanyahu
  • Visualizações 76 
  • LEIA SEMPRE AQUI!
  • 0 Respostas




Tópicos semelhantes (5)