Vândalos 'antifeministas' desfiguram imagens de mulheres em Israel

Iniciado por noticias, 04, Outubro, 2021, 00:54

« anterior - seguinte »

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

noticias

Vândalos 'antifeministas' desfiguram imagens de mulheres em Israel

Nos últimos 20 anos, outdoors mostrando mulheres foram desfigurados e derrubados por extremistas religiosos em Jerusalém e outras cidades com grandes populações ultraortodoxas. Imagem vandalizada em Israel, em 2 de julho de 2021
Jim Hollander/AP
Imagens do rosto de uma ativista e sobrevivente do Holocausto, Peggy Parnass, foram colocadas na Cidade Velha de Jerusalém, em Israel, e vandalizadas cinco vezes.
As fotos de Parnass foram colocadas nas paredes da região como parte de uma exposição que começou em abril. Vândalos (provavelmente extremistas ultraortodoxos) pintaram seus olhos e boca com spray.
O graffiti foi limpo a cada vez. Para muitos israelenses, no entanto, a solução de curto prazo destacou um padrão familiar que é ainda mais doloroso porque a destruição não vem de inimigos além das fronteiras de Israel, mas de dentro.
"Não é anti-semita", disse Jim Hollander, curador da instalação de arte The Lonka Project na Safra Square. "Isso é antifeminista."
Imagens de uma ativista foram vandalizadas seguidas vezes em Jerusalém
Jim Hollander/AP
Apesar de sua modernidade, poder de fogo militar e know-how de alta tecnologia, Israel foi, durante décadas, incapaz de impedir que imagens de mulheres fossem desfiguradas em alguns espaços públicos. Nos últimos 20 anos, outdoors mostrando mulheres - incluindo jogadores de futebol, músicos e meninas - foram desfigurados e derrubados por extremistas religiosos em Jerusalém e outras cidades com grandes populações ultraortodoxas.
Até a chanceler alemã, Angela Merkel, foi apagada de uma fotografia de 2015 de líderes mundiais em Paris publicada por um jornal ultraortodoxo.
"Isto não é Cabul, é Jerusalém", disse Fleur Hassan-Nahoum, uma vice-prefeita de Jerusalém. "Esta é uma campanha organizada por radicais para tirar as mulheres do espaço público, que pertence a todos nós".
A foto dupla de Parnass, de 94 anos, que mora na Alemanha, está afixada em uma parede externa do complexo da Prefeitura de Jerusalém.
Hollander disse que o escolheu especificamente entre dezenas de outros postados ao redor do complexo para pendurar na marquise porque projeta vitalidade, perseverança e sobrevivência em uma das áreas mais famosas de Israel. A sua localização central torna-o visível para milhares de pessoas todos os dias.
O vandalismo é amplamente atribuído a um pequeno número de membros da comunidade ultraortodoxa insular, que enfatiza a modéstia entre as mulheres e tradicionalmente exerce influência desproporcional na política israelense. A foto foi postada ao lado de uma rua que faz fronteira com um bairro ultraortodoxo e é uma passagem popular para o Muro das Lamentações da Cidade Velha, o local de oração judaico mais sagrado.
Os judeus ultraortodoxos representam cerca de 12,6% da população de Israel de 9,3 milhões. A população dessa comunidade está crescendo mais rápido do que a de outros judeus e árabes israelenses, de acordo com o Instituto de Democracia de Israel, um centro de estudos não partidário de Jerusalém. A maioria da comunidade judaica de Jerusalém é ultraortodoxa, disse o instituto.
Judeus Ortodoxos celebram a páscoa em Israel depois de tragédia que deixou 45 mortos
Há uma diferença, advertiu um especialista, entre o judaísmo ultraortodoxo mais pragmático e os vândalos desfigurando fotos de mulheres.
"Em geral, eles sabem que o mundo exterior está funcionando de maneira diferente", disse Gilad Malach, que lidera o programa ultraortodoxo do Instituto de Democracia de Israel. "E eles sabem que, em algumas situações, precisam cooperar com isso."
Na comunidade ortodoxa dominante, algumas mulheres começaram a resistir nas redes sociais.
"Os homens não estão no comando lá", disse Kerry Bar-Cohn, 48, uma quiroprática ortodoxa e performer que há alguns anos começou a postar vídeos dela mesma cantando canções infantis no YouTube. Recentemente, ela tentou publicar um anúncio em uma circular local com sua foto, mas foi recusado.
"É uma discriminação direta", disse Bar-Cohn, esposa de um rabino e mãe de quatro filhos. "Eu estava pensando em processá-los, mas nº 1, quem tem tempo? E nº 2, você não quer ser essa pessoa. "
Os defensores dizem que apagar mulheres acarreta riscos sociais terríveis.
Banco de Fotos da Vida Judaica
"Você não vê as mulheres, não ouve suas necessidades e suas necessidades não são atendidas", disse Shoshanna Keats Jaskoll, 46.
Keats Jaskoll lançou recentemente o Banco de Fotos da Vida Judaica, uma coleção do que ela chama de imagens "positivas" de mulheres ortodoxas para a organização Chochmat Nashim. A ideia é vender imagens de mulheres que sejam aceitáveis ​​para o público ortodoxo e mais bem compreendidas pelo público em geral.
Nenhuma dessas iniciativas deteve a onda constante de vandalismo.
O Centro de Ação Religiosa de Israel, que está ligado ao movimento de reforma liberal do judaísmo, rastreou o vandalismo e outros ataques a imagens de mulheres por cinco anos e entrou com uma petição judicial para obrigar a cidade de Jerusalém a reprimir.
Com o tempo, o município respondeu dizendo que está engajado na "aplicação massiva, eficaz e focada" dos estatutos da cidade contra o vandalismo, mas reconheceu a dificuldade em coletar depoimentos e processar suspeitos.
Veja os vídeos mais assistidos do g1

Source: Vândalos 'antifeministas' desfiguram imagens de mulheres em Israel

Similar topics (5)