Autor [EN] [PL] [ES] [PT] [IT] [DE] [FR] [NL] [TR] [SR] [AR] [RU] Tópico: Laser imita fenômeno quântico e dobra velocidade de dados  (Lida 748 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline marcosbr

  • Vivendo e Aprendendo!
  • Administrador
  • *
  • Mensagens: 1085
  • Country: br
  • Karma: +4/-0
  • Sexo: Masculino
    • Ver Perfil
Laser imita fenômeno quântico e dobra velocidade de dados
« em: Novembro 24, 2015, 19:43:56 pm »
  Entrelaçamento de lasers

 

Em um momento clássico de "Eureca", uma equipe de físicos descobriu que feixes de laser comuns conseguem imitar com precisão um fenômeno quântico, o que traz o potencial para dobrar a velocidade das comunicações a laser.

O fenômeno é o chamado entrelaçamento quântico - ou emaranhamento -, até agora só obtido experimentalmente em condições muito especiais de laboratório. Quando dois objetos são entrelaçados, se um é tocado - por uma medição, por exemplo -, o outro sente imediatamente, mesmo que ambos estejam separados por uma grande distância.

"O que está no coração do entrelaçamento quântico é a 'não-separabilidade' - duas coisas entrelaçadas são descritas por uma equação não fatorável," disse Giovanni Milione, da Universidade Cidade de Nova Iorque. "Curiosamente, a forma e a polarização de um feixe de laser convencional, uma caneta laser, podem também ser não separáveis."

Feixe vetorial

Milione usou apenas duas canetas laser e outros componentes comprados no comércio para controlar a polarização dos dois feixes de laser disparados de forma a se cruzarem. O resultado é o que a equipe chamou de "feixe vetorial", cuja forma pode ser controlada alterando a polarização do feixe de controle.

Surpreendentemente, isto permitiu codificar até dois bits de informação no feixe principal - o feixe de dados -, o que é o dobro da informação que pode ser codificada com lasers não entrelaçados.

"Em princípio, isso poderia ser usado para dobrar a velocidade de dados das comunicações a laser," disse o professor Robert Alfano. "Embora não haja nenhuma 'ação fantasmagórica à distância', é incrível que aspectos do emaranhamento quântico possam ser imitados por algo tão simples."

Ação fantasmagórica local

A expressão "ação fantasmagórica à distância" foi usada por Albert Einstein para criticar o fenômeno, em sua época descrito apenas teoricamente - Einstein não gostava nem um pouco da mecânica quântica, cujas leis probabilísticas ele criticava dizendo que "Deus não joga dados com o Universo".

No entanto, um experimento histórico descrito esta semana finalmente mostrou - quase 100 anos depois - que Einstein estava errado

Redação do Site Inovação Tecnológica -  29/10/2015
Deus nos concede, a cada dia, uma página de vida nova no livro do tempo. Aquilo que colocarmos nela, corre por nossa conta. (Chico Xavier)